Bem-estar balões

Veja o que acontece ao investir no bem-estar dos funcionários

(Este conteúdo é uma tradução livre de Entrepreneur.com).

Existe um debate de longa data a respeito do ROI (retorno sobre investimento) de programas de bem-estar, e a discussão geralmente é focada no corte de custos e como ter a aprovação do setor financeiro para aplicá-los. Mas estas conversas não abordam o que é realmente importante: mesmo o ROI sendo importante, programas de bem-estar e qualidade de vida no trabalho devem ser totalmente dedicados aos funcionários.

Programas de bem-estar realmente precisam impressionar o Diretor/Gerente de Recursos Humanos. O RH quer saber o que estes programas podem fazer para os funcionários e como podem inspirar e unir as pessoas no trabalho. Eles querem saber como o bem-estar não será somente mais um benefício que os funcionários nunca irão usar.

Relacionado: Como saber se sua empresa precisa investir em qualidade de vida e bem-estar

O bem-estar tem um impacto real e humano – não é um floreio ou luxo. A seguir, o que Diretores de RH e Diretores Financeiros precisam saber sobre o real impacto que a promoção de bem-estar tem nos funcionários:

Une as pessoas da equipe

O sonho de todo departamento de RH é que as pessoas estejam unidas em um ambiente de mútuo apoio e cooperação para que possam trabalhar efetivamente. Infelizmente, este sonho está longe de se realizar. Em 2015, um estudo da Mental Health America mostrou que quase 2000 participantes, um alarmante 80%, disseram que tendem a trabalhar sozinhos por razão de ambientes de trabalho hostis com pessoas que não ajudam.

E tem mais, dentre os 2175 gerentes de recrutamento e seleção entrevistados pelo CareerBuilder em março de 2015, 37% disseram que as fofocas no trabalho foram o maior motivo de queda na produtividade. Então como o RH pode transformar colaboradores fofoqueiros em colaboradores cooperativos? Com bem-estar no trabalho.

Sessões de bem-estar social com divertimento – incluindo tudo entre estimular o voluntariado a promover sessões de inovação – podem unir membros da equipe, alinhar todo mundo para um objetivo em comum e melhorar os relacionamentos interpessoais. Além disso, uma pesquisa sobre o bem-estar no trabalho, conduzido pela Limeade, descobriu que 52% das empresas participantes dos Estados Unidos realizam eventos de competição recreativos entre equipes em seus programas.

Estes pequenos eventos de competição entre equipes ajudam os funcionários a se conhecerem melhor e possibilita um ambiente social mais agradável. Em adição a isso, 39% das organizações entrevistadas na mesma pesquisa da Limeade, disseram que eles estimulam o compartilhamento em grupo nos seus programas de bem-estar. Isso significa que o aprimoramento do relacionamento da equipe não é limitado a eventos competitivos. Os colegas de trabalho compartilham seus objetivos de vida, se incentivam mutuamente, respondem perguntas e oferecem apoio enquanto caminham juntos pelos desafios da vida.

À medida que os funcionários se esforçam para melhorar saúde, bem-estar, e relacionamentos interpessoais, os programas de qualidade de vida também ajudam a criar ambientes de trabalho saudáveis – onde a nova cultura modela os comportamentos e as pessoas se sentem apoiadas.

Bem-estar nutre a confiança entre funcionários e líderes

O bem-estar no trabalho não promove apenas os relacionamentos entre funcionários. Ele também ajuda a promover a confiança entre os empregados e os empregadores. E este relacionamento precisa de toda ajuda possível.

Relacionado: Como melhorar a qualidade de vida no trabalho

Em uma pesquisa com mais de 800 pessoas que trabalham em tempo integral dos Estados Unidos, conduzida pela Globoforce em novembro de 2015, 47% disseram não acreditarem que seus líderes se importavam e também não tentavam criar um ambiente de trabalho humanizado. E mais, em uma pesquisa de 2015 conduzida pela Achievers com quase 800 funcionários da América do Norte, somente 45% disseram confiar nas lideranças da empresa.

Sem esta confiança, os funcionários estão menos propensos a se engajar no seu trabalho e portanto, procurar por um novo empregador. Confiança é a chave para a conexão emocional funcionar, que é a base para qualquer negócio ser bem-sucedido.

Quando os funcionários sentem que os empregadores se importam com seu bem-estar, os impactos são poderosos. Uma pesquisa de 2015 com quase 2000 norte-americanos conduzida pela Quantum Workplace e pela Limeade descobriu que os participantes eram 38% mais engajados e 18% mais propensos a se dedicarem quando sentiam que as lideranças da empresa se importavam com seu bem-estar. Também era mais provável que os funcionários indicariam sua empresa como local de trabalho em 28%. Conseguiu relacionar este último com redução nos custos de recrutamento e seleção?

Programas de qualidade de vida e bem-estar no trabalho ajudam os funcionários a sentirem que tanto empresa quanto as lideranças se importam genuinamente por eles. Investir na saúde e bem-estar faz as pessoas se sentirem valorizadas e isto terá repercussões inimagináveis.

Impulsiona a motivação e o moral das pessoas

A missão e os valores da empresa devem levar a organização para o crescimento, alinhar comportamentos e lembrar os funcionários qual o propósito do trabalho. Mas existe uma enorme desconexão.

Relacionado: Programas que promovem bem-estar e que não precisam de investimento financeiro

De acordo com a pesquisa da Achievers, 57% dos empregados disseram que não estão motivados pela missão da companhia. E quando os empregados não sentem que seu trabalho tem propósito, eles se sentem menos motivados para tal. Isso significa que produtividade e engajamento encolhem.

Programas de bem-estar no trabalho bem projetados reforçam a missão da empresa e valores em cada ocasião, orientando novatos e reconectando veteranos que precisam de um impulso. Promover campanhas de caridade e outros eventos semelhantes relembra os funcionários que o trabalho é uma comunidade de pessoas, não apenas um contracheque. Permitindo tempo para trabalhos voluntários da própria escolha dos funcionários, eleva a autonomia, renova o senso de propósito e proporciona um sobressalto de motivação.

Programas típicos de bem-estar somente incluem atividades físicas. Programas que funcionam como um eixo para tudo que o RH sonha em realizar – prontidão, tornar-se referência, fortalecer senso de equipe, cultura e vigor – é a chave para pessoas unidas e inspiradas.

Link para o texto original: https://www.entrepreneur.com/article/276190

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This
Navegação