LER

O componente emocional da LER/DORT

A LER/DORT (lesão por esforço repetitivo/ distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho) são responsáveis por mais de 80% dos casos de doenças profissionais registrados na Previdência Social. Atualmente, sabe-se que as LERs não podem ser atribuídas unicamente por processos biológicos ou fisiológicos, mas também a aspectos subjetivos, os chamados componentes psicossociais.

LER/DORT pode ser definida como um conjunto de doenças que atingem principalmente os membros superiores, cuja mais comum é a tendinite.

Cristophe Déjours, um dos teóricos mais influentes da Psicologia do Trabalho, afirma que embora as causas das doenças do trabalho estejam relacionadas à própria organização, a forma como a doença se expressa tem a ver com a estrutura emocional do indivíduo.

Como aspectos psicológicos se relacionam com a LER/DORT?

Vários fatores relacionados ao âmbito psicossocial podem influenciar no aparecimento dos sintomas. Por exemplo, o estresse agudo pode interferir na percepção da dor e de outros sintomas da LER/DORT.

Além disso, transtornos como a depressão e a ansiedade podem ocasionar ou agravar a tensão muscular, que leva a contrações e dores nos músculos. Ao mesmo tempo, a insatisfação com o trabalho ou a falta de auto-realização profissional podem contribuir na perpetuação dos sintomas.

Como prevenir a LER/DORT no ambiente de trabalho?

Antes de qualquer coisa, é necessários respeitar os seguintes fatores organizacionais:

  • Treinamento e condicionamento;
  • Local de trabalho (piso, superfícies, barulho, umidade, ventilação, temperatura, iluminação, distanciamentos, angulações, etc);
  • Ferramentas, utensílios, acessórios e mobiliários adequados;
  • Jornadas de trabalho;
  • Intervalos apropriados;
  • Posturas apropriadas;
  • Técnicas para a execução de tarefas;
  • Respeito aos limites biomecânicos (força, repetitividade, manutenção de posturas específicas por períodos prolongados).

Ademais, é essencial oferecer um ambiente de trabalho favorável à execução das atividades, bem como bom clima organizacional. Tudo isso somado à promoção de qualidade de vida no trabalho e ao cuidado com a saúde psicológica dos colaboradores diminuem consideravelmente o risco de desenvolver as doenças do grupo LER/DORT.

Este artigo foi útil? Curta e compartilhe nas suas redes sociais! Está enfrentando desafios relacionados a doenças do trabalho na sua empresa? Entre em contato com a EIDEA e saiba como podemos ajudar:

 

FONTES:

– A Dimensão Psicopatológica da LER/DORT (Ana Luiza Pires Batista Echeverria e Mário Eduardo Costa Pereira)

– As LER/DORT e os fatores psicossociais (Paulo Wenderson Teixeira Moraes e Antonio Virgílio Bittencourt Bastos)

– LER/DORT: cartilha para pacientes (Comissão de Reumatologia Ocupacional)

  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • LinkedIn

Raíssa Dias
EIDEA Consultoria & Psicologia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This
Navegação