Rede Social Interna

Implicações da Rede Social interna para empresas

Já ouviu da plataforma Slack? E da Yammer? E do aplicativo associado ao Facebook, o Workplace? Assim como o título sugere, o tema deste artigo é Rede Social, e todos esses aplicativos citados acima pertencem a esta categoria. Entretanto, não são como o Facebook, são plataformas sociais internas para empresas.

Neste artigo irei apontar os requisitos e as implicações de incorporar alguma rede social em sua empresa. No Brasil, de forma geral, pouco se conhece e fala sobre isso, o que foi uma das principais motivações para eu elaborar este conteúdo.

A rede social corporativa é bem distinta das populares intranets

A intranet é uma ferramenta muito útil para otimizar a comunicação interna. No entanto, comparado às redes sociais ela contempla a comunicação e a aproximação entre as pessoas de forma limitada.

No Workplace, por exemplo, plataforma do Facebook, é possível postar fotos, vídeos em sua timeline, semelhantemente ao próprio Facebook. Além disso, é possível desfrutar de recursos como dashboards e analisar métricas da empresa.

Portanto, um novo horizonte de possibilidades no relacionamento e comunicação interna estão disponíveis.

 

Rede Social Workplace para empresas
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • LinkedIn
A rede social Workplace tem uma interface muito semelhante ao Facebook.

Os benefícios de uma rede social interna

A rede social interna pode proporcionar relacionamentos mais próximos e, portanto, mais construtivos. Um colaborador pode postar uma foto de um treinamento, por exemplo, com a legenda sobre o que ele aprendeu e como foi essa experiência em sua timeline da rede social. Os demais visualizarão a postagem e poderão reagir a ela!

Percebe os potenciais implícitos para equipes? Ao mesmo tempo em que os colegas “curtem” a foto, estão trocando experiências e estimulando o engajamento nos treinamentos.

E atenção: Não menospreze o efeito das “Curtidas” e “comentários” em publicações das redes sociais. Eles são os principais responsáveis por manter as pessoas adeptas à rede, pois são simples e efetivas formas de recompensas sociais – outro benefício que as intranets não têm.

Então, ter uma rede social exclusiva da empresa, poderá motivar as pessoas. De forma a engajá-las nas atividades da sua empresa e estimular a comunicação.

Menor tempo gasto em reuniões

Com uma rede social, as informações e acontecimentos podem ser publicados por qualquer um. Incluindo discussões que podem acontecer dentro da plataforma, pois é possível criar grupos específicos com público restrito – assim como no Facebook.

Esta facilidade em trocar ideias e repassar notícias e informações pode diminuir muito o tempo e quantidade de reuniões. Os líderes podem criar, por exemplo, dashboards com as informações e fórum para discussão. Se esta ferramenta for bem administrada, a reunião será necessária somente para tomar a decisão final.

As informações e repasses podem ser dados nos grupos, ou na própria timeline – e é possível marcar pessoas nas publicações, assim,  elas receberão as notificações devidamente, para não perderem as novidades.

Os cuidados que as empresas devem ter com a rede social interna

Toda ferramenta nova pode provocar alguma transformação na Cultura Organizacional. Os impactos de uma rede social interna podem ser desastrosos! As pessoas já estão familiarizadas com o conceito, portanto é muito provável que se engajarão na plataforma. Entretanto, a rede social da empresa se difere de todas as outras que as pessoas conhecem, devido a condições comportamentais específicas que devem ser presumidas e adotadas.

Faz-se necessário que as empresas avaliem alguns aspectos antes de implementarem uma rede social.

Avaliar se mudanças devem ser feitas no Regimento Interno, Estatuto ou demais documentos

Comentários, publicações e fotos em uma rede social tornam-se registros. Portanto, isso pode implicar em ampliação nas regras de condutas internas, incluindo possíveis revisões em advertências e penalidades.

Ambientação dos funcionários à plataforma

Considere um período de avaliação, para avaliar se as pessoas de sua empresa se adaptaram à ferramenta. Tenha consciência que o efeito “novidade” pode acontecer, ou seja, pode haver muito engajamento a princípio e diminuir continuamente. Portanto, a implementação deve vir acompanhada de treinamento inicial e campanhas internas. Os conteúdos devem abordar regras de conduta, exemplos de utilização, e benefícios agregados. Mas saliente sempre que a rede é de todos funcionários, e livre para o uso consciente.

Descentralização

Esta é uma consequência, em geral, positiva. As informações, e talvez até mesmo decisões, podem descentralizar-se, devido ao dinamismo que a rede social proporciona. É inclusive uma fator associado à maior agilidade na comunicação interna. Além de possivelmente estar associada à satisfação com o trabalho e à empresa – e afetar positivamente os índices de turnover e engajamento das pessoas.

Regras em excesso podem interferir no engajamento das pessoas, e consequentemente no sucesso da ferramenta na sua empresa

Tenha somente uma regra: tudo publicado na rede deve estar relacionado ao trabalho – que é a essência da plataforma. Regras em excesso, como: autorização para utilizar a rede somente em certos horários, postar somente sobre o projeto em andamento, proibição de vídeos, etc., são devastadores para um dos principais objetivos da ferramenta: aproximação das pessoas que beneficia os relacionamentos e, portanto, os resultados!

Lembre-se que sua empresa ainda pode obter os benefícios sem necessariamente recorrer à rede social

É provável que sua empresa possa melhorar os relacionamentos interpessoais e a comunicação interna sem precisar recorrer às redes sociais. Afinal, as redes sociais implicam em custos mensais elevados.

Algumas alternativas para você obter esses benefícios são os Workshops, Pesquisas de Clima ou o serviço Arquitetura de Comportamentos Organizacionais.

Nem toda empresa está preparada para implementar uma rede social

Evidentemente, as redes sociais não são adequadas para qualquer empresa. Mas de forma geral, isso mostra deficiências na Cultura Organizacional da empresa. Constantes conflitos (não-construtivos), inexistência de políticas de qualidade de vida no trabalho e bem-estar, e lideranças autoritárias são fatores que predizem o fracasso de uma rede social na empresa.

E muito mais que isso, podem predizer prejuízos mais amplos e significativos na vida futura da empresa.

 

Este artigo foi esclarecedor? Quer fazer uma avaliação da Cultura Organizacional de sua empresa? Fale com um de nossos consultores!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This
Navegação